Sua fonte oficial de notícias do My Chemical Romance no Brasil reconhecida pela Warner Music BR. Nos acompanhe nas redes sociais e fique ligado nas novidades da banda.

“É uma doença terrível, e eu quero fazer tudo o que puder para tentar ajudar as pessoas com educação, prevenção ou tratamento”, falou Frank Iero sobre o câncer em entrevista de 2009.

Entrevistas

Inaugurando o ano de 2022 aqui no Fake Your Death, trazemos a tradução de uma entrevista exclusiva dada por Frank Iero para a Alt Press em 2009. Na entrevista, Frank conta sobre sua colaboração com uma importante causa beneficente, sobre como entrou para a Leathermouth e sobre suas expectativas para Watchmen

 

Tradução por: Amanda Bittencourt

Edição por: Marina Tonelli

 

Exclusivo da Web: Uma conversa com Frank Iero, do Leathermouth

Frank Iero do Leathermouth e do My Chemical Romance está, de fato, bem. O My Chem (grandes fãs de quadrinhos) foram convidados a contribuir com uma música para a trilha sonora (da que está prestes a se tornar sucesso de bilheteria) adaptação cinematográfica dos quadrinhos de Watchmen e esta semana, o projeto paralelo de hardcore de Iero, Leathermouth, lançou seu álbum de estreia, XO. Mesmo com tudo isso, Iero ainda conseguiu tempo para criar o design de um sapato para a Macbeth Footwear com parte dos lucros destinados à beneficiar a Syrentha Savio Endowment, uma organização sem fins lucrativos focada no combate ao câncer de mama. O sapato está disponível em duas versões com diferentes mensagens bordadas no calcanhar (uma diz: “Fuck Cancer” e a outra diz “Cancer Fighter”). Nas palmilhas impressões com instruções anatomicamente detalhadas de como verificar se há câncer de mama ou testicular. Iero completou o design do sapato com desenhos feitos à mão ocultos sob o material superior. Brian Shultz conversou recentemente com Iero sobre os sapatos e sua obra de caridade, bem como a estreia de Leathermouth, XO e seus próximos planos com My Chem. 

 

Como surgiu o conceito do design para seus sapatos? 

Eu o baseei no design mais antigo que eu tinha – era chamado de Wallister. Eu [criei] outro par – acho que foi um dos primeiros que eles desenvolveram. Eu peguei algumas coisas daquele, e tirei outras, o transformei em um ​​sapato de cano baixo. Para o meu [novo] conceito de design, apenas desenhei algumas imagens, e foi isso que saiu.

 

Você conscientemente tentou atrair pessoas de fora da sua base de fãs para que mais gente se interessasse pelo design

É por uma boa causa, e quanto melhor for financeiramente, [melhor]. [Não importa quem] queira comprá-lo – meus fãs do My Chem [ou] fãs de Leathermouth ou pessoas que só querem ajudar a causa. No que diz respeito a projetá-lo com alguém em mente, eu queria fazer um sapato vegano. Eu queria fazer algo meio discreto, porque é disso que eu gosto. Espero que dê muito certo. 

 

Sapatos da colaboração de Frank com a Macbeth Footwear

 

O fato do dinheiro arrecadado ir diretamente para a SSE é o que o motivou a ajudar na causa caritativa? 

Sim, absolutamente. 

 

Você já teve um familiar diagnosticado com câncer de mama? 

Sim. Minha tia é uma sobrevivente de câncer de mama, e ela teve uma recaída, então minha família está lidando com isso há algum tempo. É uma doença terrível, e eu quero fazer tudo o que puder para tentar ajudar as pessoas com educação, prevenção ou tratamento.

 

Mudando de assunto para Leathermouth. Quando o My Chemical Romance começou, ficou claro que a estética da banda punk Ink & Dagger teve uma grande influência na banda. Mas esta parece ser a primeira prova musical dessa influência. 

Sim, sou fã de Ink & Dagger há muito tempo. Até ser mencionado na mesma frase que essa banda é lisonjeiro. Mas quando eu estava começando a escrever o disco, eu não estava tipo, “Oh, vamos fazer isso [porque vai soar como Ink & Dagger]”. Isso simplesmente nunca ocorreu. Mas eu sou um grande fã dessa banda.

 

Que outras bandas influenciaram o Leathermouth?

Não importa o que você ouça ou experimente em sua vida, isso molda o que você faz mais tarde. Mas muito da influência vem da vida cotidiana e muitos filmes de terror B mais do que qualquer banda [específica].

 

É verdade que Leathermouth originalmente tinha outro cantor, mas ele nunca escreveu nenhuma letra de verdade?

Sim. Era um casal de amigos [e] uma banda que eles tinham. Um amigo deles [seria o cantor original]. Era uma daquelas coisas que soam bem no papel, mas ele nunca esteve em uma banda antes, então não sei se ele realmente levou isso tão a sério.

 

Há quanto tempo você está pensando na ideia de fazer um projeto mais hardcore?

Eu realmente não tinha [isso] em mente. Eu não estava procurando por outra banda ou algo assim. Meio que veio para mim. Leathermouth escreveu algumas músicas e fez uma demo instrumental de três músicas. Eles tocaram para mim e eu amei tanto que pedi para entrar quando descobri que eles não tinham mais um cantor e provavelmente iriam acabar com a banda. Eu não acho que eu estava tipo, “Eu quero começar uma banda de hardcore!” Isso realmente não passou pela minha cabeça.

 

Você admitiu em uma entrevista anterior à AP que algumas das letras de XO, particularmente “Catch Me”, são muito duras com as mulheres. Como você responderia aos críticos que caracterizam letras como essas como misóginas?

Estou falando de uma profissão. A música é liricamente tirada das cartas escritas por Jack, o Estripador, então está lidando com aquele período de tempo e o que estava acontecendo naquele momento e foi escrita do ponto de vista de um assassino em série. Então, sim, tenho certeza de que ele era misógino. [Risos.]

Capa do disco XO, da Leathermouth

 

Sua gravadora, Skeleton Crew, assinou recentemente com os Architects. Você está planejando mais alguma coisa para o resto do ano?

Sim. Há um disco do New Tomorrow chegando em fevereiro chamado We’re Counting On The Youth. Esse disco é incrível. Eu não posso falar coisas boas o suficiente sobre essa banda. Eles são uma banda fenomenal e escreveram um disco incrível. Os Architects provavelmente estarão gravando por volta de fevereiro, então espero que esse disco saia em breve. Este ano também temos um livro de F.T. Willz, então estou muito empolgado com isso também.

 

Você tem escrito muito com o My Chemical Romance ultimamente?

Sim. No mês passado, todos nós fomos para a Califórnia para filmar o videoclipe para nossa música [um cover de Desolation Row” de Bob Dylan] da trilha sonora de Watchmen. Tivemos 10 dias para gravar, mas reservamos nossa viagem com um pouco de antecedência e praticamos por cerca de cinco dias antes das filmagens para apenas entrar e começar a tocar. Queríamos praticar a música para a qual estávamos fazendo o vídeo e também para ver o que saía. Começamos a inventar algumas coisas, e na verdade começamos a escrever algumas músicas. Então, se elas vão para o próximo disco ou não, eu não tenho ideia. Mas foi divertido viver isso depois de todo esse tempo. Está começando a fluir muito bem. Eu acho que vai ser um processo de escrita muito divertido.

 

Falando da trilha sonora de Watchmen, com Gerard Way com sua revista em quadrinhos e tudo mais, vocês parecem ser realmente fãs de quadrinhos.

Sim, quando soubemos que eles iriam fazer um filme sobre Watchmen – eu sei que muitas pessoas tentaram escrever [o roteiro], mas nunca se concretizou – quando soubemos que realmente seria lançado, a gente enlouqueceu . Então ouvimos que Zack Snyder estava dirigindo o filme– eu definitivamente pensei que ele era a escolha certa para isso. Então, nos pediram [para contribuir] e foi incrível. [Foi] definitivamente um sonho estar envolvido nisso. Eu faria qualquer coisa só para poder ver o filme, quanto mais estar envolvido nele.

 

Você realmente chegou a vê-lo?

Ainda não. Vi alguns clipes e ouvi dizer que pode haver uma exibição em breve. Espero ser convidado. [Risos.] 

look alive, soldiers.

xx

 

AB.

 

Deixe uma resposta

Continue lendo

Menu
%d blogueiros gostam disto: